8 de ago de 2009

Lucas, o médico que virou escritor

É fato notório e reconhecido por todos que o terceiro Evangelho e o único livro histórico do NT têm um mesmo autor. Vistas as palavras introdutórias, bem como o exame do estilo literário de ambos é fácil perceber-se esta identidade. No livro de Atos, inclusive, ele se identifica como um dos companheiros do apóstolo Paulo a partir de um determinado momento quando começa a empregar a primeira pessoa do plural dos verbos em diversas partes do livro. Isso deve ter acontecido em Trôade, pois até ali o escritor comenta que "desceram a Trôade", para logo a seguir, após a visão do apóstolo, passar a dizer que "procuramos logo partir" (At 16.8,9).

Este companheiro de Paulo, que vai receber um epíteto muito simpático e significativo era médico. O apóstolo vai cognominá-lo de "o médico amado" (Cl .1 ) pois sem dúvida, em suas viagens, o apóstolo deve ter precisado muito da assistência desse homem que tece uma das partes mais belas e significativas do NT, com o seu Evangelho, pelos aspectos sentimentais e humanos que consegue imprimir à sua narrativa, como médico que era.

Sobre o conteúdo deste livro vale a pena registrar o que escreve um dos seus melhores intérpretes:

"Aqui há, indiscutivelmente, encanto literário. É um livro que somente um homem de cultura e de gênio literário genuíno poderia escrever. Tem a graça da simplicidade que possuem Marcos e Mateus e mais uma qualidade indefinível não encontrada neles, maravilhosos embora sejam".

O que este homem deve ter feito naquela época para coletar as informações e dados que iria transcrever em seu livro é um verdadeiro trabalho de pesquisa e busca que julgaríamos impossível de ser feito naqueles tempos. Como conseguiu viajar àquelas regiões e conversar com as pessoas, pois é isto que a maioria dos comentaristas julga que foi féito, é algo que nos dias de hoje, os recursos da comunicação e dos transportes tornam factível, mas que, para aqueles dias seria, sem dúvida, uma tarefa quase impossível.

Lucas, o escritor de espírito científico, pois era médico, um homem bem formado por certo, grego como se reconhecia naquela época quem judeu não fosse, ou gentio, convertido ao judaísmo talvez inicialmente, e depois ao evangelho de Cristo, amigo devotado de Paulo, faz a sua narrativa da vida de Cristo com um intelecto disciplinado, com um método de pesquisa de historiador, com um poder de discriminação e de diagnóstico próprio ao médico, com um atrativo de estilo todo pessoal, acompanhando tudo isso de uma reverência e de uma lealdade mui profundas para com a pessoa de Jesus Cristo, seu Senhor e Salvador.

Marcos escreveu para os romanos, e Mateus para os judeus, Lucas, por sua vez,visou ao mundo gentio. Ele manifesta compaixão pelos pobres e pelas classesdesprezadas. Por isso mesmo seu livro tem sido caracterizado como o Evangelho da mulher, o Evangelho da infância, o Evangelho da oração e de louvor. Poderíamos dizer que é em Lucas que temos os primeiros hinos cristãos. É com ele que alcançamos uma ligeira visão da infância de Jesus, pela qual temos que ser muito gratos ao médico amado, pois nos apresenta uma faceta especial do nosso Mestre e Senhor.

Não tendo Lucas participado dos acontecimentos descritos em seu Evangelho, valeu-se de fontes diversas para obter as informações de que necessitou. Uma conclusão amplamente aceita, dos estudos críticos do Novo Testamento, é de que Lucas teve acesso e usou extensivamente uma cópia de Marcos, o que Mateus deve ter feito também. Cerca de 70% das informações de Marcos aparece em Lucas. No entanto, Lucas usou bem menos de Marcos do que Mateus fez uso.

A vida e mensagem de Cristo, da forma como são apresentadas por Lucas, se relacionavam com os grandes problemas sociais daquela época. Vale a pensa registrar:
"Ele é colorido, em todo o seu decorrer, por uma compaixão pelos explorados e desprezados. O terceiro Evangelho nos leva a lembrar que fazemos violência à mensagem de Jesus Cristo quando a separamos de uma preocupação pelos problemas sociais do homem".

Bibliografia: Capacitação cristã - Novo Testamento - JUERP

0 Comentários:

Postar um comentário