15 de jun de 2009

Introdução ao Pentateuco

   Esta é a 1° de uma série de postagens sobre o Pentateuco. Nesta sinopse estaremos nos familiarizando ao Pentateuco, seu autor, suas doutrinas, além de conhecermos um pouco sobre a teoria da “alta crítica destrutiva” que tenta discredibilizar o Pentateuco, negando inclusive, que Moisés tenha sido seu autor.

I. IDENTIFICANDO O PENTATEUCO

1. O Significado do Termo Pentateuco e sua Composição     O termo PENTATEUCO deriva-se de duas palavras gregas: “pente” (cinco) + “teuchos” (folha de papiro, papel, livro ou volume), que indica “cinco volumes”, ou “cinco livros”.
    Os Judeus o chamavam “os quintos da Lei”, ou os “quintos”, sendo cada livro denominado “um quinto”.
    Portanto, o Pentateuco constitui-se dos cinco primeiros livros (volumes) da Bíblia Sagrada, também chamado de “Torah” – o livro da lei de Moisés. São eles:
  • GÊNESIS = É o livro que trata das origens, por isso significa geração ou origem (Gn 1-11.26).
  • ÊXODO = É o livro que narra a saída dos filhos de Israel do Egito, por isso significa saída, (Ex 1-15.21)
  • LEVÍTICO = É o livro que revela o ritual dos levitas no culto ao Senhor, refere-se ao serviço levítico (Lv 8-9).
  • NÚMEROS = É o livro que manifesta vários recenseamentos, a numeração das tribos, levitas, e recém-nascidos.
  • DEUTERONÔMIO = (gr. deuteros, segunda + gr. nomos, lei = segunda lei). É o livro que trata da repetição das leis descritas nos livros anteriores do Pentateuco.
1.1 Algumas Doutrinas Fundamentais do Pentateuco
  • A Criação
  • A Queda do Homem
  • A Expiação
  • A Redenção
  • A Origem do Universo
  • A Origem da raça humana
  • A Origem da família
  • A Origem do Governo humano
  • A Origem da Chamada de Abraão
  • A Origem do povo hebreu k)    A Lei de Deus, etc.

2. Nomes que a Própria Bíblia dá ao Pentateuco.
    1) No Antigo Testamento
  • Lei: Js 8:34; Ed 10:3; Ne 8:2,7,14; 10:34,36; 12:44; 13:3; II Cr 14:4; 31:21; 33:8
  • Lei de Deus: Js 24:26; Ne 8:18.
  • Livro da Lei: Js 1:8; 8:34; II Rs 22:8; Ne 8:3
  • Livro da Lei de Moisés: Js 8:31; 23:6; II Rs 14:6; Ne 8:l
  • Livro de Moisés, servo de Deus: Dn 9:11,13; Ml 4:4
  • Livro de Moisés: Ed 6:18; Ne 13:1; Cr 25:4; 35:12
  • Livro da Lei de Deus: Js 24:26; Ne 8:18
  • Livro do Senhor: Ed 7:10; ICr 16:40; ICr 31:3; 35:26
  • Livro da Lei do Senhor: II Cr 17:9; 34:14; Ne 9:3
    2) No Novo Testamento
  • Lei: Mt 12:5; Lc 16:16; Jo 7:19
  • Livro da Lei: Gl 3:10
  • Lei de Moisés: Lc 2:22; Jo 7:23
  • Livro de Moisés: Mc 12:26
  • Lei do Senhor: Lc 2:23-24
3. Objetivos pelos quais o Pentateuco foi escrito.
    O Pentateuco foi escrito para declarar a humanidade a origem de todas as coisas. Do universo, do homem, das nações, e que a origem de todas as coisas tiveram início em Deus.
    O Pentateuco foi escrito para prover a história nacional de Israel para os próprios judeus e para o mundo. A história de Israel se inicia no Pentateuco com a chamada de Abraão, com o nascimento miraculoso de Isaac, com a entrada de José no Egito, com a libertação do cativeiro egípcio, com a peregrinação no deserto, com a posse da terra prometida e etc. A história nacional de Israel seria importante para os israelitas no deserto, para os que depois se instalariam em Canaã, e seria de grande importância também os demais povos da Terra, até os dias de hoje. O Pentateuco, principalmente no Livro de Gênesis, situa a nação de Israel no meio dos povos, mostrando suas origens e as origens das nações que interagiriam maléfica ou beneficamente com Israel (Lv 26:33).
    O Pentateuco foi escrito para ser o manual de instrução da nação de Israel, provendo-lhe alicerces morais concretos e religiosos.
    Os mandamentos, as leis cerimoniais e morais, e todo o ensino do Pentateuco guiaria o povo na peregrinação com o Seu Deus.
    A base de toda tradição judaica e o fundamento de sua religião está no Pentateuco, pois, até os samaritanos – grupo dissidente dos judeus – conservam o Pentateuco como sua regra de fé.
    O Pentateuco foi escrito para apresentar ao mundo o deus de Israel (Gn 26:4; lv 26:45; Nm 14:15; ex 15:14-16; Dt 2:24,25; 26:19)
        O Deus que liberta, que abençoa, que merece adoração, louvor e obediência.
        O Deus Único, poderoso e santo.
    O Pentateuco foi escrito não apenas para mostrar a sequência histórica da humanidade desde adão. Mas também para manifestar através do povo de Israel um relato do seu reinado teocrático; o qual culminaria na redenção de cristo para os pecadores e no seu reinado davítico.

4. Esboço do Pentateuco
    O Pentateuco é formado por cinco livros que, juntos, abrangem um período de tempo que se estende desde a Criação até a chegada do povo de Israel aos limites de Canaã.
  • História primitiva com um contexto histórico amplo – Gn 1-11
  • História dos Patriarcas – Gn 12-50
  • Opressão de Israel e preparativos para o Êxodo – Êx 1-9
  • O Êxodo e a chegada ao Sinai – Êx 10-19
  • O Decálogo e o Pacto no Sinai – Êx 20-24
  • Tabernáculo e o sacerdócio aarônico – Êx 25-31
  • A violação idolátrica do Pacto – Êx 32-34
  • Acréscimo de leis acerca do Tabernáculo – Êx 35-40
  • A lei das oferendas – Lv 1-7
  • Consagração dos sacerdotes e oferendas iniciais – Lv 8-10
  • As leis da purificação – Lv 11-15
  • O Dia da Expiação – Lv 16
  • Leis acerca da moralidade e pureza – Lv 17-26
  • Votos e dízimos – Lv 27
  • Censos e leis Nm – 1-9
  • A Viagem desde o Sinai até Cades-Barnéia – Nm 10-20
  • Peregrinações até Moabe – Nm 21-36
  • Primeiro discurso – Dt 1-4
  • Segundo discurso com uma introdução exortativa – Dt 5-11
  • Coleção de estatutos e direitos – Dt 12-26
  • Maldições e Bênçãos – Dt 27-30
  • Ascensão de Josué e a morte de Moisés – Dt 31-34
II. AUTORIA DO PENTATEUCO
    MOISÉS, “homem de Deus” (Dt 33:1; Js 14:6), fundador da comunidade israelita.
    Moisés exerceu dentre o seu povo diversas funções. Tais como: pastor, legislador, educador, profeta, juiz, libertador, historiador, mediador, sacerdote, etc.
    Moisés, inspirado por Deus, compôs esta obra de forma completa e contínua. Sendo muito provável que tenha feito o uso de algumas fontes orais e escritas, como se pode perceber no estudo acurado do Pentateuco.

1. Moisés Tinha Condições Para Escrever o Pentateuco.
  • Ele possuía cultura suficiente, pois era um erudito (At 7:22)
  • Ele conhecia a história de Israel para documentá-la (Dt 1:1-3)
  • Ele como hebreu conhecia bem o hebraico, língua usada no Pentateuco.
  • Ele, apesar de hebreu, conhecia bem o Egito e a Arábia estando bastante familiarizado com seus costumes e instruções, para narrá-los no Pentateuco. Sabe-se que a instrução egípcia era vetada aos estrangeiros; apenas os sacerdotes e membros da família real, como o foi Moisés, podiam adquiri-la.
  • Ele documentou as paradas de Israel desde a saída do Egito até Moabe, na caminhada pelo deserto. (Nm 33:1,2)
  • Ele, usando um amanuense, detalhou o número de fontes e palmeiras (Êx 15:27) e a aparência e o paladar do maná (Nm 11:7-8) como somente uma testemunha ocular poderia narrar.
  • Ele teve tempo - 40 anos foi a duração do Êxodo. (At 7:36; 13:17,18)
1.1 O que Significa Autoria Mosaica?
    A autoria mosaica não quer dizer que Moisés tenha pessoalmente escrito, no sentido original, todas as palavras do Pentateuco. Todavia, Moisés é o seu verdadeiro autor. 2.3.2. É possível que Moisés, orientado por Deus, utilizou a “tradição oral” de sua época.
    É possível que Moisés, orientado pelo próprio Deus, tenha empregado porções de documentos previamente existentes.
    É possível que Moisés tenha utilizado as mãos de escribas ou amanuenses para escrever o Pentateuco, pois em nenhum dos cinco livros vemos indicação do seu nome como sendo o escritor. Todavia, vemos Deus ordenar que ele escreva o Pentateuco (Êx 17:14; 34:27; Dt 31:9,24) O texto de Dt 31:22 refere-se ao capítulo 32 do mesmo livro.
    Toda a substância, os fundamentos e o real teor do Pentateuco foi obra de Moisés. Ainda que sob a orientação e inspiração divina, possa ter havido pequenas adições secundárias posteriores (como em Deuteronômio 34), ou mesmo algumas revisões, tais fatos não subtraem a autoria mosaica dos cinco Livros Sagrados. As adições e revisões também foram inspiradas por Deus. Tanto é que perduraram através dos séculos.
    O Senhor Jesus Cristo, Pedro, e Estevão, reconhecem Moisés como o autor do Pentateuco (Mt 19.7-8; Mc 10.3-4; At 3.22; 7.37).

2. Negação da Autoria Mosaica
    A chamada “Critica da Forma ou da Fonte”, também, conhecida pejorativamente como “Alta Critica destrutiva” ou “negativa”, composta por alguns críticos, adeptos do Deísmo , e do Racionalismo , e outros neo-ortodoxos , tem-se ocupado em acentuar os argumentos históricos e científicos das Escrituras, menosprezando, contudo, os elementos da fé. São estes que negam a autoria mosaica do Pentateuco.
    No entanto, por tratar-se da inerrante Palavra de Deus, o Pentateuco jamais deixou de transmitir a confiabilidade divina. Se fosse o contrário, como explicar a doutrina da inspiração divina, os milagres, as profecias, etc.? Teria o Senhor Jesus ensinado erro? O Bom Mestre assentiu na autoria mosaica do Pentateuco. Seria, então, a Bíblia um livro puramente humano?
    Enfocamos nomes de alguns críticos para efeito de conhecimento:
  • Thomas Hobbes, um filósofo inglês, em sua obra Leviathan (1651) foi um dos primeiros a dar expressão literária a sua tese anti-mosaica ao Pentateuco. Ele asseverou que o Sagrado Livro havia sido editado por Esdras a partir de fontes antigas.
  • Benedicto Spinoza declarou em Tractatus Theologico-Politicus (1670) que Esdras havia editado o Pentateuco com interpolação  de Deuteronômio, questionando também a autoria mosaica.
  • Jean Astruc, médico francês (1753), foi um dos que expressaram suas dúvidas, em forma de documento, no que diz respeito ao Pentateuco. Ele, apesar de aceitar Moisés como autor do Gênesis, afirmou que Moisés havia compilado o livro de Gênesis a partir de outros documentos menores, fazendo diversas interpolações. Astruc identificou 2 fontes principais para as suas criticas:
            Fonte A, a utilização da palavra Elohim;
            Fonte B, o uso da palavra Yahweh. A palavra Yahweh aparece no vocabulário hebraico a partir do 3º século a.C quando os massoretas  acrescentaram vogais ao Tetragrama (YHWH).
  • Karl H. Graff, em 1865, afirmou que a literatura de Êxodo, Levítico e Números, foi compilado nos dias do cativeiro babilônico.
  • Julius Wellhausen - teólogo alemão - foi quem deu uma popular formulação literária à Teoria Documentária, em sua obra Die Composition dês Hexateuchs, em 1876. Os críticos modernos absorveram grandemente a sua tese.
2.1 A Teoria - ou Hipótese - Documentária Elemento Ofensor da Autoria Mosaica.
    A “Alta Crítica” dá o nome de Teoria Documentária a quatro documentos (fictícios, pois jamais foram vistos) datados de tempos remotos, cujas iniciais são J,E,D,S. Através desses documentos os críticos modernos baseiam a suposta elaboração do Antigo Testamento.
    Segundo a tese dos críticos do Pentateuco, alguns editores anônimos, juntaram informações desses quatro documentos, unificando-os, para montarem o Pentateuco, tendo iniciado a sua compilação nos idos do século IX a.C e terminado – com o chamado “Código Sacerdotal” - por volta de 445 a.C; a tempo de Esdras lê-lo em alta voz na Festa dos Tabernáculos (Ver Neemias cap 8).
    Com estes e outros argumentos a Teoria Documentária declara que a história bíblica é forjada. O Livro de Deuteronômio foi inventado pelos profetas para reforçar a idéia de centralização, e o uso do nome de Moisés para dar autoridade ao texto, sem que este, no entanto, participasse da sua composição histórica.
    Os documentos - J,E,D,S - (fictícios, pois jamais foram vistos) foram obra do teólogo alemão J. Wellhausen, que em 1895 deu um duro golpe contra a autoria mosaica do Pentateuco. Ele ampliou a teoria do teólogo Karl H. Graf, conferindo-lhe uma expressão clássica, que lhe deu proeminência na maioria dos círculos eruditos europeus e, mais tarde, norte-americanos. Algum tempo depois essa teoria ficou conhecida como “Teoria ou Hipótese Documentária” sendo aceita como base fundamental da Alta Critica.
    “Wellhausen fez repousar a Hipótese Documentária sobre o ponto de vista evolutivo da história, prevalecente nos círculos filosóficos da época. Usava a teoria da evolução religiosa de Israel como um dos meios para distinguir os supostos documentos que constituiriam o Pentateuco. Também a utilizou para datar esses documentos. Por exemplo, se lhe parecia que determinado documento tinha uma teologia mais abstrata do que outro; chegava à conclusão de que havia sido redigido em data posterior, já que a religião cada vez mais se tomava complicada. Por isto, estabeleceu datas segundo a medida de desenvolvimento religioso que ele imaginava. Relegou o livro do Gênesis, em sua maior parte, a uma coleção de mitos cananeus, adaptados pelos hebreus.”

2.2 Quadro Referente aos Supostos Documentos – J,E,D,S - Que J. Wellhausen Classificou e Denominou da Seguinte Forma:
Documento "J" Cuja letra inicial J, em referência aos jeovaístas, representaria o escritor que usou o nome Jeová (YHWH) em seus documentos. Pode ser o documento mais antigo, pois teria sido redigido, possivelmente, no reinado de Salomão.
Documento "E" Referindo-se aos eloístas representaria o escritor que usou o nome Elohim para Deus em seus documentos; e teria sido escrito depois do primeiro documento, cerca do século VIII (a.C).
Documento "D" Representaria o autor do Deuteronômio, ou código deuteronômico, abrangência de todo o livro de Deuteronômio que teria sido escrito no reinado de Josias, pelos sacerdotes, e como fraude para promover um despertamento religioso (2 Rs 22.8). Tal documento seria uma redação tardia encontrada em 621 a.C
Documento "S" Refere-se ao “Código Sacerdotal”, que seria uma representação do ultimo escritor a trabalhar na redação do A.T Segundo a Hipótese documentária, este pertencia à classe sacerdotal e viveu durante o exílio babilônico. O documento “S” evidencia a organização do Tabernáculo, do culto e dos sacrifícios e fornece o plano geral do Pentateuco. Foi elaborado para assegurar a aceitação do sistema sacerdotal por parte do povo, sendo baseado em lendas e crendices folclóricas. Também é conhecido como documento “P”, pois em inglês, “sacerdote” é priest.

2.3 Mediante o Exposto Podemos Resumir as Proposições da “Alta Crítica Destrutiva” da Seguinte Maneira:
  • Não existe milagre.
  • A Bíblia é apenas um produto da mente humana.
  • Os livros Bíblicos foram escritos muito tempo depois de sua composição.
  • Os milagres que apresentados no Pentateuco, são nada mais que mitos e lendas dos antigos hebreus.
  • Existem erros e contradições na Bíblia.
    Apesar de existirem outros, são basicamente estas cinco afirmações acima que confrontam diretamente as seguintes verdades bíblicas:

a) Inerrância da Bíblia
b) Inspiração verbal e plenária da Bíblia
c) Autenticidade da Bíblia
d) Veracidade da Bíblia
e) Credibilidade da Bíblia.


III. ELEMENTOS QUE GARANTEM A AUTORIA MOSAICA DO PENTATEUCO
    Dentre outros, temos os seguintes elementos que garantem a autoria mosaica do Pentateuco.

1. O Testemunho Bíblico no Antigo Testamento.
  • Deus ordenou que Moisés escrevesse (Ex 17:14)
  • “E Moisés escreveu todas as Palavras do SENHOR” (Ex 24:4) Ver também Ex 34:27; Nm 33:1,2; Dt 31:9
    Referências Bíblicas da Autoria Mosaica no Antigo Testamento. I Rs 2:3; II Rs 14:6; 21:8; Ed 6:18; Ne 13:1; Dn 9:11-13; M14:
1.1 O Testemunho do Nosso Senhor Jesus Cristo
    JESUS CRISTO – O Mestre e Senhor por excelência (Jo 12:13), “em quem estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência” (Cl 2:3) - deu testemunho da autoria mosaica do Pentateuco, ou Torá (lei).
  • “Porque se vós crêsseis em Moisés, creríeis em mim; porque de mim escreveu ele. Mas se não credes em seus escritos, como crereis nas minhas palavras?” (Jo 5:46,47)
  • “Não vos deu Moisés a lei? e nenhum de vós observa a Lei” (Jo 7:19)
  • “E, acerca dos mortos que houverem de ressuscitar, não tendes lido no livro de Moisés como Deus lhe falou na sarça, dizendo: Eu sou o Deus de Abraão, e o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó?” (Mc 12:26). Aqui, Jesus autenticou o Livro de Êxodo e sua autoria mosaica. Compare Ex 3:6
  • “E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na Lei de Moisés, e nos Profetas, e nos Salmos.” (Le 24:44)
  • “E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado.” (Jo 3:14). Neste texto, Jesus autenticou o Livro de Números e sua autoria mosaica. Compare Nm 21 :9
  • “E ordenou-lhe que a ninguém o dissesse. Mas disse-lhe: Vai, mostra-te ao sacerdote e oferece, pela tua purificação, o que Moisés determinou, para que lhes sirva de testemunho.” (Le 5:14). Aqui, Jesus autenticou o Livro de Levítico e sua autoria mosaica. Compare Lv 14:3,4,10
  • “e disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe e se unirá à sua mulher, e serão dois numa só carne? De modo que já não são mais dois, porém uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. Disseram-lhe eles: Então, por que mandou Moisés dar-lhe carta de divórcio e repudiá-la? Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza do vosso coração, vos permitiu repudiar vossa mulher; mas, no principio, não foi assim.” (Mt 19:5-8). Nesta passagem, Jesus deu veracidade ao Livro de Gênesis e sua autoria mosaica. Compare Gn 2.24
    Acaso a teoria documentaria de J. Wellhausen, entre outros críticos teriam mais autenticidade do que o testemunho do próprio senhor Jesus cristo?

1.3 O Testemunho dos Judeus no Novo Testamento
    Os judeus criam que moisés escreveu o pentateuco, isto é, a Torá (Lei).
  • “Mestre, Moisés nos deixou escrito que, se o irmão de alguém falecer, tendo mulher e não deixar filhos, o irmão dele tome a mulher e suscite posteridade a seu irmão.” (Le 20:28)
  • “Filipe achou Natanael e disse-lhe: Havemos achado aquele de quem Moisés escreveu na Lei e de quem escreveram os Profetas: Jesus de Nazaré, filho de José.” (Jo 1:45)
  • “E na lei nos mandou Moisés que tais mulheres sejam apedrejadas; tu, pois, que dizes?” (Jo 8:5)
  • “Então, o injuriaram e disseram: Discípulo dele sejas tu; nós, porém, somos discípulos de Moisés. Nós bem sabemos que Deus falou a Moisés, mas este, não sabemos de onde é.” (Jo 9:28,29)
  • “Porque Moisés, desde os tempos antigos, tem em cada cidade quem o pregue e, cada sábado, é lido nas sinagogas.” (At 15:21). Aqui trata-se dos escritos de Moisés.
  • “Porque na lei de Moisés está escrito: Não atarás a boca ao boi que trilha o grão. Porventura, tem Deus cuidado dos bois?” (I Co 9:9). Compare Dt 25:4
  • “E até hoje, quando é lido Moisés, o véu está posto sobre o coração deles.” (1 Co 3:15). O texto faz alusão aos escritos de Moisés.
2. A Unidade Histórica do Pentateuco
    Apesar da diversidade de assuntos, tais como, história, leis, rituais, regulamentos, cerimônias, registros cronológicos, etc. o Pentateuco possui uma historicidade unificada. A sincronia no desenvolvimento histórico dos cinco livros é algo surpreendente para uma obra que, segundo a Teoria Documentária, foi supostamente compilada por diversos autores anônimos em épocas adversas da original.

2.1 Na História do Povo de Israel
    Quando lemos no Pentateuco a história de Israel, por exemplo, parece que estamos lendo um só livro com cinco capítulos, tal a sua unidade histórica. Poderíamos resumir a história de Israel no Pentateuco da seguinte forma:
  • Deus é o criador de toda a raça humana, e dela formou para si um povo.
  • Deus escolheu Abraão e seus descendentes, e lhes prometeu aterra de Canaã.
  • Israel foi para o Egito, e caiu na escravidão, da qual o Senhor os livrou.
  • Deus conduziu Israel a Canaã conforme prometeu.
2.2 Nos Discursos de Alguns Personagens do Novo Testamento
    Alguns homens célebres do N.T mostraram a unidade histórica do Pentateuco em seus discursos. Vejamos:
  • ESTEVÃO, diácono da Igreja de Jerusalém, em seu discurso pouco antes de morrer apedrejado (At 7:1-60). Compare o v.18 com Dt 18:15.
  • PAULO, o apóstolo dos gentios, em seu discurso na sinagoga em Antioquia da Psídia (At 13:17-41). Aqui ele discorre resumidamente sobre as ações de Deus, desde Abraão até Davi (vv. 17-23), passando de imediato para Jesus Cristo.
  • PEDRO, apóstolo de Cristo, em seu discurso no templo judaico após haver curado um coxo de nascença (At 3 :12-25).
3. A Unidade Temática do Pentateuco
    Os mais variados temas ornam as páginas do Pentateuco. Poderíamos destacar:
  • Em Gênesis: a origem do universo e a aliança com Israel.
  • Em Êxodo: a escravidão e libertação de Israel.
  • Em Levítico: a santificação de Israel.
  • Em Números: a recontagem do povo de Israel.
  • Em Deuteronômio: a renovação da aliança com a nova geração de Israel

0 Comentários:

Postar um comentário