17 de jun de 2009

Introdução ao Livro de Gênesis

    Á partir do Livro de Gênesis daremos primazia aos fatos mais importantes de cada livro subsequente omitindo os detalhes.

1. Autor e Data
    Moisés. Por volta de 1445-1405 a.C
    Dentre os diversos documentos usados por Moisés para escrever o Pentateuco, o Livro de Gênesis apresenta-nos onze. São onze documentos primitivos, originalmente registros de famílias da linhagem escolhida de Deus e de famílias aparentadas, que compõe o livro de Gênesis. Estes cobrem os primeiros milênios da história humana, desde a criação do homem ao estabelecimento do povo escolhido de Deus no Egito, (Halley). Vejamos:
  1.  “O Hino da Criação” - 1.1 a 2.3
  2. “Gerações dos Céus e da Terra” – 2.3 à 4.26
  3. “O Livro das Gerações de Adão” – 5.1 à 6.8
  4. “As Gerações de Noé” – 6.9 à 9.28
  5. “As Gerações dos Filhos de Noé” – l0.1 à 11.9
  6. “As Gerações de Sem” – 11.10-26
  7. “As Gerações de terá” - 11.27 à 25.11
  8. “As Gerações de Ismael” – 25.12-18
  9. “As Gerações de Isaque” – 25.19 à 35.29
  10. “As Gerações de Esaú” – 36.1-43
  11. “As Gerações de Jacó” – 37.2 à 50.26
2. Título do Livro
    O título do livro – GÊNESIS – deriva da primeira palavra do livro: “bereshit” – que no hebraico significa “no principio”. Esta palavra hebraica foi traduzida pela versão grega do Antigo Testamento (a Septuaginta) como “Geneseos”, que representa os termos principio, começo, fonte, origens, criação, nascimento, etc.

3. Tema do Livro de Gênesis
    O tema desta maravilhosa obra literária está inserido no próprio título do livro: as origens.
    O Gênesis é o Livro dos princípios – das origens – ou dos começos. É o registro sagrado do princípio de todas as coisas, pois seu primeiro versículo assim afirma: “No principio criou Deus os céus e a terra”.
    No Gênesis vemos o princípio da criação do Universo, o começo de toda espécie de vida, a origem da raça humana, o início das nações; o primeiro pecado, a queda, o juízo divino aplicado ao homem pecador e a promessa de redenção, pode-se inclusive contemplar no Gênesis o nascimento, em meio às nações, da nação que levaria a Redenção aos demais povos.

4. Esfera de Ação do Gênesis
    Segundo o Dr. Myer Pearlman, da Criação até a morte de José do Egito, percebe-se um período de 2.315 anos, cerca de, 4004 a 1689 antes de Cristo.
“O Gênesis abrange na sua narração uma longa série de séculos, e colocando (no tronco principal das suas genealogias) ao lado dos nomes também números de anos, forneceria os elementos de uma cronologia. Infelizmente as cifras não parecem bem conservadas, porque nos números dos capítulos 5 e 11 os três textos independentes: o hebraico, o samaritano e o grego divergem entre si. Baseando-se sobre o seu texto, os gregos do império bizantino colocavam a criação do homem 5508 anos a.C Os hebreus ainda usam uma era que no mesmo período conta 3760 anos. As ciências antropológicas exigem um tempo assaz maior para a existência do homem sobre a terra. A Bíblia não é contrária a resultados certos de tais ciências, também porque as listas genealógicas do Gênesis poderiam ser incompletas, ou seja, com omissões de elos intermediários.
    Do nascimento de Abraão à descida dos israelitas ao Egito - 290 anos (Gên 21:5 + 25:26 + 47:28), a cronologia respectiva é mais ou menos certa. Para a cronologia absoluta (baseada na era cristã) ter-se-ia um ponto fixo no sincronismo de Abraão com Hamurabi, o célebre rei da Babilônia, cujo famoso código de leis foi descoberto em 1902. A identificação, porém, de Amrafel, rei de Senaar (Gên 14: 1), com Hamurabi da Babilônia, é hoje mais do que duvidosa; tampouco a data do reinado deste último está definidamente fixada; atualmente tende-se a colocar-lhe o início por volta de 1728 a.C Tomando como ponto de partida a data em que os israelitas saíram do Egito sob o faraó Menefta pelo ano de 1200 a.C e remontando o curso dos séculos com os dados da própria Bíblia (Ex 12:40 e passagens acima citadas), Abraão teria nascido por volta de 1900 a.C mas não é certo qual seja o faraó do Êxodo.”

4.1 Alguma Características Particulares do Livro do Gênesis
    Profecias: Teria o Livro de Gênesis algum cunho profético? Sim. Ele deve ser estudado profeticamente, pois, a nascente de todas as profecias está no Livro de Gênesis. A primeira e fundamental profecia, que abrange toda a Revelação Divina no que se refere à Redenção está no Livro de Gênesis (Gn 3:15). E outras...
a)    Profecias alusivas à Terra (Gn 8:22)
b)    Profecias alusivas aos filhos de Noé (Gn 9:35-37)
c)    Profecias alusivas à Abraão (Gn 12:1-3 + caps. 15,17,18)
d)    Profecias alusivas à Ismael (Gn 17:20)
e)    Profecias alusivas à Isaque (Gn 18ss)
f)    Profecias alusivas à Esaú e a Jacó (Gn 25:23)
g)    Profecias alusivas à Efraim e Manassés (Gn 48)
h)    Profecias alusivas aos doze filhos de Jacó (Gn 49)

    Doutrinas: Na sua variedade de assuntos, o primeiro livro da Bíblia a ser escrito (excetuando-se o livro de Jó) não omitiria o propósito principal da Palavra de Deus, que é o ENSINO. “Toda Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar... e instruir em justiça” (II Tm 3: 16) – O livro de Gênesis nos transmite diversas doutrinas bíblicas. Dentre as quais destacamos:
    1)    DOUTRINA DA TRINDADE – Um dos fundamentais ensinos do cristianismo.
    Apesar do termo “Trindade”, não constar na Bíblia Sagrada, temos em toda a Bíblia elementos que comprovam a doutrina da Trindade. Vejamos:
  • No original hebraico do livro de Gênesis uma das palavras usadas para designar Deus é ELOHIM. O termo Elohim é um substantivo plural que indica deuses.
  • É com essa fórmula plural Elohim que o nome de Deus aparece nada menos que 35 vezes em 34 versículos do livro de Gênesis, inclusive nos doze primeiros versículos (Ge 1:1-12), expressando a grandeza do Deus Criador e Justo.
  • Analisando-se gramaticalmente os textos de Gn 1.26 “façamos” “nossa”. Gn 3.22 “É como um de nós”, etc., chegamos à conclusão que aqueles que se opõem a esta doutrina estão desprezando a vontade por Deus revelada nos primórdios da humanidade sobre a terra.
  • A pluralidade do termo “Elohim” reflete vivamente a doutrina da Santíssima Trindade – O Pai, O Filho e O Espírito Santo – na tradução hebraica de textos como: “façamos o Homem à Nossa imagem, conforme a Nossa semelhança” e “o Homem é como um de Nós, sabendo do bem e do mal” (Gn 1:26; 3:22) e “desçamos”, “confundamos” (Gn 11:5,7).
    b)    A DOUTRINA DA FÉ – Esta é outra doutrina que tem sua origem em GÊNESIS, conforme se pode ver manifesta em vários personagens bíblicos.
  • Em Abel – Gn 4.4; Hb 11.4
  • Em Enoque – Gn 5.24; Hb 11.5
  • Em Noé – Gn 6.14.22; Hb 11.7
  • Em Abraão – Gn 12.1-3; Hb 11.8-10
  • Em Sara – Gn 18.9-11; 21.1,2,5,7; Hb 11.11
    c)    A DOUTRINA DA ORAÇÃO – A oração é algo imprescindível a todo aquele que se julga dependente de Deus. Como tal, ela tem origem em Gênesis, e surge logo com feição variada.
  • Como intercessão – Gn 18.22-33
  • Em favor da cura divina – Gn 20.17
  • Como rogativa pessoal – Gn 15.2; 17.18-20
  • Em circunstâncias especiais
  • Em ações de graças – Gn 24.26,27
5. As 10 Tábuas Geneálogicas
    Outra das características especiais do livro de Gênesis, é que o todo do livro foi enquadrado pelo autor sagrado em dez tábuas genealógicas (2:4; 5:1; 6:9; 10:1; 11:10; 1l:27; 25:12; 25:19; 36:1; 37:2) dispostas de tal modo que, após ter registrado os ramos secundários da propagação humana, volta a narrar difusamente os destinos do ramo patriarcal, isto é, da descendência eleita, portadora da revelação divina e da verdadeira religião.

6. Conteúdo do Livro de Gênesis
    O conteúdo de Gênesis se divide em torno de seis acontecimentos principais:
a)    A CRIAÇÃO;
b)    A QUEDA;
c)    A PRIMEIRA CIVILIZAÇÃO;
d)    O DILÚVIO;
e)    A TORRE DE BABEL E A DISPERSÃO DAS NAÇÕES;
f)    E O POVO HEBREU

6.1 A Criação (caps.1-2)
    A terra já criada (v. 1) chegou a ser “sem forma e vazia” (v.2), mas não fora criada assim (Is 45:18). Percebe-se que o termo “criou” aparece apenas três vezes no primeiro capítulo (vv.1,21,27). Estudiosos afirmam que há diferença entre o que Deus “criou” e o que Ele “fez”. Assim os mares foram feitos de águas já existentes (v.9,10). O Sol e a Lua foram feitos ou levados a aparecer através das espessas nuvens, no dia quarto, mas foram criados no dia primeiro (v.3).
    É possível admitir um grande período de tempo entre o v.1 e o v.2. Talvez aplique-se aqui o tempo “kairós” de Deus, quando um dia são milhares de anos (II Pe 3:8). Recurso mais aceitável para se compreender os dias da criação.
    Qual o objetivo da criação de Deus? Para quem Deus criou?
    Nas respostas a estas indagações pode-se compreender, teologicamente, o tema do livro de Gênesis – as origens.
a)    O OBJETIVO DA CRIAÇÃO: manifestação da Glória de Deus (Sl. 19:1; 8:1).
b)    PARA QUE FORAM CRIADAS TODAS AS COISAS? Para que o homem “imagem e glória de Deus” (I Co 11:7b) – dominasse sobre elas.
    Na primeira declaração que Deus fez ao homem e à mulher – registrada nas Escrituras Sagradas – centraliza-se o “para que” da Criação. (Leia abaixo Gn 1 :26-28)
    “Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam pela terra. Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todo animal que rasteja pela terra”.
    O texto bíblico acima declara a intenção de Deus para com o homem, coroa da Sua criação: A BÊNÇÃO DIVINA PARA O HOMEM E O DOMÍNIO HUMANO ABSOLUTO SOBRE A CRIAÇÃO, EM LUGAR DE DEUS.
    O Homem seria um abençoado imediato do Criador ante a Sua criação, mas ao desobedecer a ordenança divina o homem ameaçou o Plano de Deus para a humanidade expressa na criação. Como resposta, Deus chamou Abraão, por meio de quem a Bênção Divina alcançaria a Humanidade (Gl. 3:14).
    A criação, no livro de Gênesis, seria o prólogo  do grandioso drama, que se divide em duas partes, e tem por protagonistas os cinco grandes patriarcas: Adão e Noé, patriarcas da raça humana; Abraão, Isaac e Jacó, patriarcas do povo hebreu - em quem se desenvolveria a revelação divina sinaítica e a religião narrada no Êxodo.

6.2 A Queda do Homem (cap. 3)
a)    A possibilidade de tentação
b)    O autor da tentação
c)    A sutileza da tentação
d)    O êxito da tentação
e)    O primeiro juízo
f)    O primeiro anúncio da Redenção.

6.3 A Primeira Civilização (cap. 4-5)
a)    CAIM: A inveja o fez cometer o primeiro homicídio, manifestando a hereditariedade do pecado na raça humana (I Jo 3:12)
b)    ABEL: Sua história nos ilustra que o pecador pode alcançar graça diante de Deus através da sua oferta sincera e penitente (Hb 11:4)
c)    A PRIMEIRA CIVILIZAÇÃO: Caim tomou-se o fundador de uma civilização que incluiu uma cidade, agricultura, manufaturas e artes. O caráter dessa cidade foi marcado pela violação da lei do matrimônio e pelo espírito da violência (Gn 4:19-24)
d)    SETE: Após a morte de' Abel e a rejeição de Caim, Sete nasceu para que a promessa de Redenção fosse operada (Gn 4:25,26)

6.4 O Dilúvio (caps.6-10)
a)    Havia apenas duas classes de pessoas no mundo: os impenitentes caimitas, descendentes de Caim, e os piedosos setistas, descendentes de Sete (Gn 4:25,26).
b)    O Dilúvio, juízo divino sobre os infiéis (II Pe 3 :6)
c)    Antes do Dilúvio havia a pregação da justiça (TI Pe 2:5)
d)    Antes do Dilúvio, a Longanimidade de Deus -120 anos- esperando a construção da Arca (Hb 11 :7).
e)    Antes do Dilúvio, o meio de salvação - a Arca - uma figura de Cristo (Mt 24:-37-39).
f)    Antes do Dilúvio a preservação da Família piedosa (Gn 7:1,13-19).

6.5 A Torre de Babel e a Dispersão das Nações (cap. 11)
a)    Ninrode e a “liga das nações” em levante contra Deus.
b)    Deus impediu o projeto e destruiu a Torre de Babel, confundindo as línguas e espalhando os povos sobre a face da terra.
c)    Era uma confederação  de engrandecimento humano
d)    Poder-se-ia observar a semelhança do desenvolvimento das confederações humanas de hoje, e a multiplicidades de nomes partidários.

6.6 O Povo Hebreu (caps. 12-50)
  • ABRAÃO (caps. 12 -25): Vemos no cap. 12 com relação a Abraão

    • A Escolha Divina
    • O Plano divino (abençoar por ele muitos povos)
    • Chamada Divina (Ver At 7:2,3; Hb 11 :8)
    • A Proteção Divina (amaldiçoarei os que te amaldiçoarem)
    • A Revelação Divina (Apareceu o Senhor a Abraão)
    • A Promessa Divina (A tua descendência darei esta terra)
  • ISAQUE (caps.17-35)

    • Filho de Abraão com Sara, e irmão Ismael. Este filho de Abraão com a escrava Hagar.
    • Isaque possuía um caráter obediente e pacífico.
    • Seu nascimento foi um milagre entre Abraão e Sara (Gll 15:41 17: 19)
    • Sua salvação no sacrit1cio do Monte Moriá foi um milagre. (Gn 22:1-14)
    • Seu casamento sucedeu de um milagre, através de Eliezer, o mordomo.
    • Deus lhe aparece e renova o pacto feito a Abraão, seu pai. (Gn 26:2-5)
    • Foi enganado por Jacó, quando velho. (Gn 27:18)
  • JACÓ (caps.25-35)

    • Era irmão mais novo de Esaú, porém foi escolhido como o portador da bênção (Gn 25:23).
    • Comprou a primogenitura (25:33)
    • Enganou seu pai Isaque (27: 18-27)
    • Fugiu para Pada-Harã (27:43 128:5)
    • A visão e o voto (28:10)
    • Suas transações com Labão (cap. 31)
    • A luta com um anjo (32:34)
    • A reconciliação com Esaú (cap.33)
    • A descida ao Egito e o encontro com José, seu filho (cap. 46)
    • Sua morte e sepultamento (49:33 -50: 13)
  • JOSÉ (caps.37-50)

    • Amado por seu pai (37:3)
    • Invejado por seus irmãos (37:4)
    • Vendido aos ismaelitas (37: 18-36)
    • Favorecido pelo seu senhor (39:1-6)
    • Tentado pela esposa do seu senhor (39:7-19)
    • Encarcerado por Potifar (39:20-41:13)
    • Elevado por Faraó (41: 1-44)
    • Não reconhecido por seus irmãos na primeira vez que vieram ao Egito (42:7-44:34)
    • Revelado a seus irmãos no segundo encontro (45:1-15)
    • Reunido a seu pai, Jacó. (46:28-34)
    • Sua morte (50:22-26)
7. A Aplicação Prática do Livro de Gênesis
a)    O livro de Gênesis faz harmonizar a criação com o Seu Criador.
b)    O Livro de Gênesis expressa a origem da raça humana, o homem foi criado segundo a imagem e semelhança de Deus. Ignorar isso e a função administrativa do ser humano quanto à criação toma a vida humana sem sentido.
c)    O Livro de Gênesis nos faz ver o propósito principal da criação do gênero humano: administrar a criação sob a influência de Deus.
d)    O Livro de Gênesis nos faz entender a origem do pecado e suas horríveis conseqüências hereditárias.
e)    O Livro de Gênesis nos exemplifica a fé ladeada pela obediência de homens como Abel, Enoque, Noé, Abraão, Isaque, Jacó e José. O caráter dessas pessoas nos influencia e deve ser imitado, pois provaram ter um compromisso verdadeiro com o SENHOR. (Ver Hb 11:4-22).

0 Comentários:

Postar um comentário