25 de jun de 2009

Introdução ao Livro de Levítico

No Gênesis Deus falou com o homem, dos altos céus (Gn 22:11). No Êxodo Deus falou com o homem da sarça ardente (Ex 3:4). No Levítico Deus fala com o homem da Tenda da Congregação (Lv 1:1).
1. Autor e Data
    Moisés, por vota de 1445-1405 a.C durante a peregrinação no deserto.
    Tanto o primeiro versículo do Livro de Levítico - “E chamou o SENHOR a Moisés, e falou com ele da tenda da congregação, dizendo:” (Lv 1:1), como o seu último “Estes são os mandamentos que Jeová deu a Moisés como ordens para os filhos de Israel, no monte Sinai.” (Lv 27:34) – evidenciam Moisés como o escritor do Livro.
    Está claro que Deus ditou a Moisés quase todas as informações do Livro, tomando-o único na Bíblia a possuir tal relevo. Cerca de 56 vezes vemos a mesma sentença “E falou Deus a Moisés” - (Lv 4:1; 5:14; 6:1,8,19; 20:1; 24:1; 25:1; 27:1).
    Também a conjunção “E” – no primeiro versículo do Livro – o liga ao Livro de Êxodo e Gênesis, como se fosse uma continuação dos primeiros escritos mosaicos.
    As referências do Senhor JESUS ao Livro de Levítico é uma outra forma de identificar a autoria mosaica e sua parte integral do Pentateuco:
    a) Compare Lv 14:1-32, com Mt 8:2-4
    b) Compare Lv 12:2-4,8, com Lc 2:22-24
    c) O livro é uma parte integral do que Jesus chamou “a lei de Moisés” (Lc. 24:44).

2. Título do Livro
    O título mais usual deste 30 livro da Bíblia Sagrada é LEVÍTICO - extraído das versões grega (Septuaginta) e latina (Vulgata) – por presumi-lo um registro de leis aplicadas aos levitas e ao serviço do sacerdócio. Todavia, o título soa falso, uma vez que o Livro não trata apenas do sacerdócio Levítico, mas, da santidade de toda a nação hebraica (Lv 27:34).
    O antigo título do Livro era Vayikra, que em hebraico significa “E ele chamou” (Lv. 1:1) Os judeus tinham por costume nomear seus livros antigos com as primeiras palavras dos mesmos.

3. Tema do Livro de Levítico
    A “Santidade de Deus” (Lv 19:2).
    Santidade (hb. Kedushah) – a palavra-chave no Livro.
    O vocábulo “santo” aparece 87 vezes em Levítico.
    Em seu tema está inserida a pergunta: “Como pode o pecador achegar-se ao Deus santo?” – a resposta encontra-se nos sete primeiros capítulos do Livro. Uma seção de diversos tipos de sacrifícios e ofertas nos mostra que ninguém poderia aproximar-se do Deus santo sem apresentar uma oferenda.
    A “diferença entre o santo e o profano” seria a instrução divina no Livro de Levítico. O que é santo jamais deve se misturar com o secular (Lv 10: 1 O).
    Israel, um “povo separado” para cumprir a missão salvífica de Deus sobre a terra, seria o medianeiro da Graça Divina para todos os povos. Todavia, para ser uma nação santa, separada dos costumes profanos dos povos gentílicos, seria necessário que Israel recebesse instruções relacionadas à santidade de Deus e ao seu próprio caráter como povo santo. “E ser-me-eis santos, porque eu, o SENHOR, sou santo e separei-vos dos povos, para serdes meus.” (Lv 20:26).

3.1 Israel Aprenderia a Diferença Entre a Santidade Posicional e a Santidade Condicional
    a) A Santidade Posicional – como posição. Trata-se da separação de uma pessoa, objeto ou instituição para uso exclusivo de Deus. Separados por Deus para estar em posição de uso sagrado. Para ser de Deus. No Livro de Levítico temos alguns exemplos da Santidade Posicional:
        Deus separou uma nação para Si – Israel (Lv 20:26).
        Deus separou um lugar para Si, e o fez sagrado – o Tabernáculo com seus apetrechos (Lv 8:10,11)
        Deus separou pessoas para Si – os sacerdotes (Lv 8:2-9,12)
        Deus separou tipos de rituais para Si – os sacrifícios levíticos (Lv 1; 7)
        Deus separou dias para Si – o sábado, as festas, o ano sabático, e o ano jubileu. (Lv 19:30; Êx 35:2; Lv 23; 25)

    b) A Santidade Condicional – como condição. Trata-se da pureza moral do indivíduo e sua retidão.
        O que Deus santifica e declara santo deve manifestar retidão moral, pois a própria santidade de Deus expressa a Sua perfeição moral.
        O Livro de Levítico traceja a fórmula ritualística, elaborada por Deus, para dar a Israel condição de se purificar (tornar-se moralmente reto aos olhos de Deus) e aparecer diante do Todo-Poderoso e servi-Lo.
        Era o próprio Deus soberano quem estabelecia os critérios de santidade. Ele fez uma relação de animais impuros, separando-os dos puros (Lv 11). Ele reputou como impuras algumas doenças, fungos, etc. (Lv 13; 14). O contacto de alguém com um impuro fazia-o também impuro.
        Deus ensinou ao povo definir a santidade por meio de exemplos comuns e cotidianos. Israel deveria aprender que a definição de santidade emanava do próprio Deus. A condição de santo seria imputada por Ele.
        E tudo o que Deus santifica é, inexoravelmente, santo. Portanto, os sacerdotes – elemento mediador do povo para com Deus – teriam que se conservar santos; suas vestes teriam que ser mantidas santas; os sacrifícios oferecidos ao SENHOR teriam que ser santos, separados da impureza. Sendo o Santuário e os seus utensílios santos, até os terrenos do Santuário eram santos e não deveriam ser poluídos.

3.2 Santidade, Esta é a Lição Temática do Livro de Levítico.

4. Esfera de Ação do Livro de Levítico
    Desde o fim da construção do Tabernáculo (Ex 40:17) até o dia da partida de Israel, do Sinai para Canaã, o povo esteve acampado durante o período de um ano ao sopé do Monte Sinai (Nm 1:1/10:11-13). Ali eles aprenderiam a lei de Deus (Dt 4:13,14).
    No intervalo de um ano, aproximadamente, Deus ditou a Moisés toda a cultura do Livro de Levítico. Foi nesse período que sucederam os fatos registrados no Livro.

4.1 Algumas Características do Livro de Levítico
    a) 56 vezes a afirmação da sentencial “Falou Deus a Moisés”, torna Levítico o único Livro da Bíblia ditado, em sua maior parte, por Deus.
    b) 42 vezes os termos “sacrifício e oferta”, para nos instruir quanto aos detalhes dos mesmos.
    c) 189 vezes o termo “sacerdote” aponta o mediador santo da nação de Israel.
    d) 86 vezes o termo “sangue” – como expiação do pecado aparece em Levítico.
    e) 87 vezes o termo “santo” nos ilustra a urgência de santidade.
    f) 54 vezes o termo “expiação”. O capítulo 16 é o mais expressivo no assunto.
    g) 90 citações do Livro de Levítico estão no Novo Testamento.

5. Conteúdo do Livro de Levítico 
    a) O caminho para Deus: a expiação (Lv 1:1; 16:34)
         Através dos sacrifícios (Lv 1:1; 7:38)
        Através da intercessão sacerdotal (Lv 8:1; 10:20)
        Através das leis da purificação (Lv 11:1; 15:33)
        Através do dia anual da expiação (Lv 16:1-34)

    b) Requisito para o andar diante de Deus: a santidade (Lv 17:1; 27:34)
        Santidade através da revelação do sangue (Lv 17:1-16)
        Santidade através dos padrões morais (Lv 18:1; 22:33)
        Santidade através da adoração normal (Lv 23:1; 24:23)
        Santidade através das leis da reparação, da obediência e da consagração (Lv 25:1; 27:34)

6. Aplicação Prática do Livro de Levítico
    a) Saber que Deus é santo (Lv 11:45; 19:2; 21:8)
    b) Santificarmo-nos para Ele em toda a nossa maneira de viver (Lv 20:26; I Pe 1:15).
    c) Sendo a Santidade um dos principais atributos de Deus, como o homem profano se aproximaria d'Ele se Ele mesmo não nos criasse o caminho adequado para nos santificar (Lv 22:32)? O sacrifício expiatório no Livro de Levítico tipifica o Sacrifício único de Cristo por nossos pecados (Hb 10:10-12). Portanto, não pisemos o Filho de Deus nem tenhamos por profano o sangue do testemunho com que fomos santificados (Hb 10:28,29).

6.1 A Epístola aos Hebreus no NT é o Livro que mais Ilustra e Esclarece o Livro de Levítico.
    a) Hebreus explica que o sacerdócio, o sangue do sacrifício, assim como o próprio sacrifício Levítico eram inferiores ao Sacerdócio, ao Sangue e ao Sacrifício de Cristo.
    b) Portanto o Livro de Levítico será melhor compreendido pelo aluno se lido com a Epístola aos Hebreus.

0 Comentários:

Postar um comentário