33 Minutos que mudarão sua opinião sobre aborto

São 33 minutos que farão você pensar sobre o assunto. Cabe lembrar que o filme possui algumas cenas fortes, então recomendamos...

Modelo de Credencial de Igreja

Modelo de credencial. Você que está a procura de modelos de credencial para pastores e igrejas, chegou ao lugar certo! Ofereço o arquivo completamente editável por um preço acessível...

Palmas para Jesus

Vou apontar para alguns argumentos que me fazem discordar do gesto de “Bater palmas para Jesus” ou “aplaudir Jesus” ou mesmo aplaudir o grupo que está cantando em um culto...

Pregações do Pastor Juanribe Pagliarin

Pregações do Pastor Juanribe Pagliarin Diversas pregações do Pastor Juanribe Pagliarin disponibilizadas para download, basta acessar este link para você baixar...

Sermão Expositivo o Pastor - Hernandes Dias Lopes

Sermões do Pastor Hernandes: Você quer ser curado? Por que a igreja existe? A restauração de Deus na tragédia. Pastores segundo o coração de Deus. Você sabe quão rico você é?...

28 de ago de 2010

5 Passos e Meio Para a Felicidade Plena sem...

Cinco Passos Para a Felicidade
Por: Daniel Clós Cesar.
Do blog: Anotações de Um Cristão
Eu gosto de ir à livraria evangélica. Ou pelo menos gostava.

Moro em Porto Alegre, que apesar de ser uma capital é relativamente "fraca" neste tipo de serviço. Não que não tenhamos muitas livrarias evangélicas, mas sim pelo fato de ou serem denominacionais ou shoppings da carnalidade gospel.

Lembro-me ainda quando era criança e ia com minha irmã mais velha à única livraria portoalegrense. Lá encontrava-se basicamente: LPs da gravadora Som e Louvores, livros da Cpad e Juerp e material de apoio a professores de escola dominical produzidos pela Apec; uns três ou quatro "tipos" de Bíblia que podiam ser classificadas em: com harpa ou sem harpa, com fecho ou sem fecho, borda vermelha ou borda dourada, capa macia ou capa dura, corrigida ou revisada. Não tinha muito mais que isso. Talvez os marcadores de Bíblia do Smilingüido (que com o novo acordo ortográfico tornou-se Smilinguido).

Era o Centro de Literatura Cristã, a mesma livraria que em 1993 suspendeu a venda dos produtos da igreja Voz da Verdade até que ela se explicasse sobre seus louvores a deuses estranhos e a disseminação da heresia unicista (clique aqui para ler matéria). Os preços não eram módicos, em parte, porque a procura era bastante reduzida, a ponto de uma única livraria ser "suficiente" para uma cidade com quase 1 milhão de habitantes à época.

Em apenas 15 anos o mercado editorial e fonográfico cristão tornou-se uma máquina de quinquilharias "cristianizadas". Apenas uma seção de autoajuda hoje é maior que toda uma livraria do início dos anos de 1990. Aliás, hoje as livrarias precisam organizar por setores seus produtos para que ninguém se "perca". Autoajuda, guerra espiritual, relacionamentos, esoterismo gospel e guias de prosperidade ocupam as primeiras e mais frondosas estantes. Estudos sistemáticos da Bíblia, dicionários, concordâncias e clássicos da literatura cristã encontram-se em algum canto pouco acessível e sem indicação, quem sabe, apenas por encomenda você conseguirá um livro escrito por Charles Spurgeon ou mesmo John MacArthur.

Também é possível comprar roupas com estampas sem sentido (como uma asa delta sobre o Cristo Redentor) acompanhada de versículos descontextualizados e frases que vão desde: a tampa da chaleira vai voar a eu sou um vencedor. Elas não dizem absolutamente nada, mas crentes as usam pois assim podem "dizer" ao mundo que são "filhos do rei". Tornou-se bastante comum também, a seção que denomino amuletos de vitupério. Shofar, talit, réplicas da arca, do menorá e do templo, alguns devidamente acompanhados de manuais de utilização, tudo para tornar o ambiente mais parecido com um flora (nome dado às lojas de produtos para religião afro aqui em Porto Alegre) do que com um lugar onde você poderia adquirir produtos que edificariam sua vida ao invés de destruí-la.

Quem sabe você pense que estou sendo deveras exagerado. No entanto, se olharmos para o mercado criado em torno da cultura consumista evangélica brasileira, veremos que ela não tem critério algum para seus produtos senão o de "fazer dinheiro". É possível inclusive ler em sites de editoras e gravadoras  evangélicas  a seguinte frase: Venda produtos cristãos e ganhe dinheiro edificando vidas. Não é uma frase inventada por mim, eu realmente li isso enquanto produzia este texto. Enoja, mas é assim que se comportam e pensam os marqueteiros dessas máquinas deturpadoras do Evangelho da Cruz.

Que isso que estamos vivendo? Como isso se encaixa no Evangelho de Cristo? Tempo de perseverança dos Santos ou de apostasia? Tempo de fartura ou de sequidão?

As livrarias evangélicas (em sua grande maioria), assemelham-se ao templo nos dias de Jesus. Vende-se todo tipo de "sacrifício" pronto para um povo tolo, incauto e sedento de coisas materiais que lhes aproximem do sagrado, pois lhes falta Fé. Não entraria Jesus hoje em uma livraria derrubando todas aquelas estantes com livros de autoajuda onde a Palavra é usada apenas para decorar as páginas? Não destruíria os manuais de libertação, guerra espiritual e quebra de maldições onde a Soberania de Deus é deixada de lado para uma participação ativa e auto-governada do homem no seu processo de "santificação"?

Quanto a apatia dos cristãos frente a essa "revolução" midiática dentro da igreja só consigo pensar em uma Palavra para tudo isso:
"Cegou-lhes os olhos, e endureceu-lhes o coração, A fim de que não vejam com os olhos, e compreendam no coração, E se convertam, E eu os cure." (Jo 12.40).

27 de ago de 2010

Disciplina na Igreja

Disciplina na Igreja
Em II Tessalonicenses 3.14, o apóstolo Paulo ensina aos crentes de Tessalônica a disciplinarem um dos membros da igreja. O que a disciplina da Igreja inclui? Quando ela deve ser empregada? O que as Escrituras dizem sobre ela? Abaixo tentaremos responder a estas perguntas e organizar este processo que frequentemente é tratado com irresponsabilidade e uma boa dose de autoritarismo.
A Definição A disciplina na Igreja é, basicamente, negar a comunhão a um crente em Cristo que está envolvido em um pecado visível.
A Ocasião A disciplina na Igreja inclui cristãos envolvidos em um pecado público (Mt 18.15-17; ICo 5.9-13), especialmente a imoralidade sexual; aqueles que estão criando divisão dentro do corpo de Cristo (Rm 16.17; Tt 3.10) e aqueles que desafiam abertamente o líder da Igreja designado por Deus (II Ts 3.6,7,14; Hb 13.17).
A Razão A Igreja deve exercer a disciplina porque deve permanecer pura (ICo 5.8).
O Objetivo O objetivo da disciplina da Igreja é levar a pessoa em pecado a se arrepender (Tg 5.19,20); "reconquistar" ou restaurar um irmão que está no erro (Mt 18.15; Gl 6.1); fazer que a pessoa em pecado se sinta envergonhada a ponto de mudar (IITs 3.14).
Os Passos Há diversos passos para a disciplina na Igreja. Primeiro, converse em particular com a pessoa. Segundo, se necessário, converse com a pessoa e outro membro da Igreja. Terceiro, se não houver mudança de comportamento, leve o problema à congregação para que toda a Igreja possa incentivar de forma coletiva a pessoa a se arrepender. Por fim, se todas as opções falharem, remova a pessoa em pecado da congregação (Mt 18.15-17).
A Atitude O tom da disciplina na Igreja deve ser cuidadoso, porém firme (Gl 6.1). As pessoas que exercem a disciplina na Igreja devem pôr de lado qualquer ressentimento, ódio, ou má fé para que possam facilitar a verdadeira restauração.
Os Mandamentos Mt 18.15-17; Rm 16.17; ICo 5.1-13; Gl 6.1; IITs 3.6,7,14,15; Tt 3.10,11; Hb 13.17; Tg 5.19,20.

Bibliologia Inspiração da Bíblia

Inspiração da Bíblia
Bibliologia - Inspiração da Bíblia
Durante séculos, a Igreja Cristã utilizou as Escrituras Sagradas sem definir solenemente sua fé na inspiração dos livros sagrados. Com o passar dos anos, chegou-se à compreensão de que Deus é o autor do Antigo e do Novo Testamentos, listando todos os livros sacros, sendo que alguns deles (deuterocanônicos) não se adequavam ao princípio da inspiração. Duas expressões que aparecem no Novo Testamento são utilizadas pelos teólogos para dar autoridade divina às Escrituras: escritor inspirado (2Pe 1.19-21) e livro inspirado (2Tm 3.15). Assim, o cristianismo aceita “Deus - autor da Escritura” e os homens como seus instrumentos, sem reduzi-los a instrumentos mecânicos.

Para os cristãos, Deus quer a existência das Escrituras, como um dos elementos constitutivos da Igreja. As Escrituras haveriam de formar-se por meio da comunidade cristã, brotando de sua atividade. Deus é o autor da Igreja e das Escrituras. Desse modo, os fatores divino e humano, que concorreram para a produção das Escrituras, estão relacionados entre si como causa principal e instrumental. Nesse ponto, deve começar qualquer explicação sobre a atividade inspirativa e apropriante de Deus.

Antes do Renascimento e da Reforma, a reflexão sobre a natureza da inspiração ficou limitada a certas observações incidentais ao se tratar da origem divina das Escrituras.

Logo surgiu:
A teoria do ditado, segundo a qual Deus teria comunicado idéias e palavras aos escritores bíblicos, que escreviam exatamente o que haviam recebido em suas mentes. Esta teoria foi abandonada no final do século XIX.

A teoria da aprovação posterior afirmava que os homens escreveram os livros da Bíblia e a Igreja os aprovou. Ela (a teoria) foi modificada mais tarde com a idéia de que o Espírito Santo teria dado uma assistência aos escritores, impedindo-os de cometer erros, sem interferir com outra influência.

Durante o século XIX, ainda surgiu:
A teoria da inspiração formal e não material, que afirmava haver Deus inspirado o conteúdo das Escrituras e não a expressão verbal, fruto do talento e da capacidade dos escritores sagrados. Esta teoria foi modificada em sua parte metodológica, isto é, não se deveria partir da afirmativa de que “Deus é o Autor”, mas da noção teológica de inspiração divina. Enfim, é o estudo da Bíblia o ponto de partida básico para se refletir sobre a inspiração divina, que é Deus operando para produzir um efeito concreto: a Bíblia.
No século XIX, o próprio princípio da inspiração foi julgado, pois alguns negavam a intervenção sobrenatural de Deus. Entretanto, foi formulado o seguinte princípio:
“Se alguém não aceita como sacros e canônicos os livros completos da Sagrada Escritura com todas as suas partes, segundo a enumeração que deles faz a tradição e os concílios da Igreja, ou se alguém nega que estes livros são divinamente inspirados, que este tal seja anátema” (In: A. FÉUILLET, p. 9).
O influxo da divina inspiração sobre o autor sagrado, pode-se dizer, começa com a própria vida. No caso de Jeremias, por exemplo, foi chamado desde o ventre materno (Jr 1.5). Possuía qualidades intelectuais, imaginativas e emocionais necessárias para compor determinado livro. No momento de realizá-lo, a inspiração divina atuou sobre a pessoa, que foi preparada para uma tarefa definida na história da salvação.

A ação de Deus sobre o autor sagrado pode ser definida como Spiritu Sancto Inspirante. Essa inspiração influi em todas as faculdades do autor, afetando o entendimento especulativo (o que se há de comunicar) e o entendimento prático (o modo de comunicá-lo).

O autor sagrado possuía convicção subjetiva, segurança e visão penetrante desenvolvidas sob influxoda inspiração. A comunidade recebia os textos na certeza de que eram vindos de Deus. O Senhor Deus utilizou pessoas, lugares, coisas e acontecimentos para dirigir e orientar o entendimento do autor sagrado. A vontade do autor também estava sob o influxo da inspiração divina.

Uma vez aceitando a Bíblia como Palavra inspirada por Deus, observam-se os efeitos desta inspiração sob quatro aspectos:
  1. Deus se revela na Bíblia.
  2. A Bíblia forma uma unidade completa.
  3. A Bíblia permite o encontro entre Deus e a pessoa.
  4. A inerrância na Bíblia se evidencia.

23 de ago de 2010

As Emoções Religiosas

Jonathan Edwards (1703-1758) escreveu um tratado com o título The Religious Affections (As Emoções Religiosas). Esta é provavelmente a mais penetrante análise já produzida sobre o assunto da experiência.

Os títulos dos capítulos, que seguem como citação direta do tratado de Edwards, não apenas revelam o pensamento notável do autor, mas também fornecem um comentário revelador sobre no que consiste a experiência espiritual genuína.

Demonstrando que não há sinais seguros de que as emoções religiosas são verdadeiramente da graça, ou que não sejam, têm-se:

  1. Que as emoções religiosas são muito grandes não é sinal
  2. Grandes efeitos no corpo não são sinal
  3. Fluência e fervor não são sinais
  4. Que não são estimulados por nós não é sinal
  5. Que vêm com textos da Escritura não é sinal
  6. Que há uma aparência de amor não é sinal
  7. Que as emoções religiosas são de muitos tipos não é sinal
  8. Se a alegria acontece em uma certa ordem não é sinal
  9. Muito tempo e muito zelo no dever não são sinal
  10. Muita expressão de louvor não é sinal
  11. Grande confiança não é sinal seguro
  12. Testemunhos comovedores não são sinal

Mostrando quais são os sinais característicos de santas emoções provenientes verdadeiramente da graça,
temos:

  1. Emoções da graça são de influência divina
  2. Seu objetivo é a excelência das coisas divinas
  3. São fundadas na excelência moral de objetivos
  4. Surgem de iluminação divina
  5. São acompanhadas de uma convicção de certeza
  6. São acompanhadas de humilhação evangélica
  7. São acompanhadas de uma mudança de natureza
  8. Geram e promovem o temperamento de Jesus
  9. Emoções da graça enternecem o coração
  10. Têm linda simetria e proporção
  11. Emoções falsas se satisfazem em si mesmas
  12. Emoções religiosas têm seus frutos na prática cristã
    • A prática cristã é o principal sinal para os outros
    • A prática cristã é o principal sinal para nós

Errol Hulse, O Batismo do Espírito Santo (São José dos Campos: Fiel, 1995), p. 16.

Congresso de Homens Maranata

Congresso de Homens Maranata
No último sábado 21/08/2010 aconteceu no bairro de Xerém Duque de Caxias, o 6º Congresso de Homens da Maranata, o tema deste congresso foi: A Excelência de Viver em Cristo. Posso dizer que passamos (aproximadamente 1400 homens) um dia abençoado e muito edificante. Nós saímos da igreja por volta das 07:20hs e chegamos ao acampamento da Maranata às 09:00hs. Um local muito bonito cheio de verde, lagos artificiais, piscinas, toboágua, mini campo de golf e etc., mas, como nosso propósito ali era de cultuarmos a Deus não podemos desfrutar de toda esta maravilha. Graças a Deus, nossa alegria não dependeu do lazer, mas sim, do Espírito Santo que se manifestou de forma Gloriosa em nosso meio.

O Preletor do congresso foi o Reverendo Hernandes Dias Lopes, isso mesmo. Tivemos o privilégio de ouvi-lo duas vezes naquele dia. Na parte da manhã, depois do Louvor com o Ministério Apascentar de Jacarepaguá, o pastor Hernandes pregou seu sermão expositivo sobre o profeta Elias baseado no texto de I Reis 17.1-24. Você pode assistir o mesmo sermão neste link: http://maxmilerfreitas.blogspot.com/2010/02/sermao-expositivo-o-pastor-hernandes.html

Para mim só não foi melhor pelo fato de eu estar muito enfermo, tive inclusive, de ser atendido na enfermaria. Minha pressão arterial foi a 16/80 e para piorar as coisas estava com 39º de febre. Somente na parte da tarde é que eu melhorei e pude participar do congresso. Ainda bem. Pois, o melhor estava por vir. Desta vez a mensagem foi sobre a vida do apóstolo Paulo baseado no texto de II Timóteo 4.6.18. Que maravilha! Todos naquele local foram profundamente impactados pela exposição da Palavra de Deus. Um irmão em Cristo gravou a segunda mensagem e eu irei postar aqui em breve para que outras pessoas sejam edificadas também.

Após o término o pastor Hernandes saiu com muita pressa, pois tinha horário marcado no aeroporto, quase que eu não consigo tirar a tão esperada foto. Devido a pressa a foto não ficou muito boa, mas valeu a boa intenção. Uma pena que toda a pressa do pastor Hernandes não foi suficiente para evitar que uma multidão de irmãos se aproximassem dele querendo tirar mais fotos e dedicatórias nos livros. Creio que ele se atrasou e muito para seu compromisso.

Do congresso só bênção. O próximo será no ano que vem no dia 7 de Setembro no mesmo local: Xerém. Se Deus permitir irei novamente.
Veja as Fotos